LABORATÓRIOS‎ > ‎

Laboratório de Bioquímica de Plantas – BIOPLAN

O URL específico do gadget não foi encontrado
Linhas de pesquisa
  1. Alelopatia: as plantas se comunicam com outras plantas, microrganismos, fungos e animais por meio de moléculas sinalizadoras, num mecanismo denominado alelopatia. Este é um fenômeno particularmente importante em sistemas agriculturais. Em sistemas de rotação de culturas e no plantio direto os efeitos alelopáticos podem reduzir o aparecimento de plantas daninhas e a quantidade de defensivos químicos utilizada. Portanto, compreender os mecanismos bioquímicos da alelopatia pode levar ao desenvolvimento de métodos de manejo agrícola menos agressivos ao meio ambiente e com alto potencial de supressão de plantas daninhas, sem efeito acentuado no desenvolvimento das plantas cultivadas. Em nosso laboratório avaliamos os efeitos causados por diversos aleloquímicos em plantas de soja cultivadas em hidroponia. Dentre os ensaios bioquímicos e fisiológicos realizados se encontram análises de crescimento, metabolismo da parede celular, lignificação e fotossíntese. Também determinamos a atividade de enzimas relacionadas ao metabolismo do nitrogênio e estresse oxidativo.
  2. Bioenergia: uma das poucas alternativas para produzir combustíveis renováveis na escala necessária para substituir os combustíveis fósseis é a conversão da biomassa lignocelulósica (resíduos vegetais como madeira e palha) em combustíveis líquidos como o etanol. A lignocelulose é formada por polissacarídeos que podem ser desmontados para liberar glicose e outros açúcares. Estes, por sua vez, podem ser utilizados para produzir etanol, chamado de etanol celulósico. Enquanto o amido e a sacarose (presente no caldo de cana) podem ser facilmente quebrados e fermentados por enzimas de fungos, a lignocelulose é muito resistente à degradação. O estudo da parede celular vegetal, a modificação genética de plantas e o desenvolvimento de agroquímicos podem ser utilizados para promover modificações nas plantas, tornando-as mais fácil de digerir. Utilizando técnicas bioquímicas, de biomol e bioinformática, estas e outras abordagens são estudadas no nosso grupo, em rede com os principais grupos de pesquisa no país e no exterior.

Contato

Localização:
Bloco I89, sala 009

Telefone: (044)  3011-4717

Responsáveis:
Prof. Dr. Osvaldo Ferrarese Filho
Prof.ª Dr.ª Maria de Lourdes Lúcio Ferrarese